quinta-feira, setembro 13, 2007

Sala de Espera

Como ver uma fotografia de um desconhecido, simples rosto sorrindo porque sim sou eu sem sentido e em silêncio. Chega, já são ésses a mais. Emudeci como se tivesse entrado numa sala de espera para um transplante de medula, uma sala tão cheia de rostos vazios e unhas roídas, olhos apagados de palavras. Ninguém fala, cada um ocupa completamente a sua cadeira direito e expectante, como pode haver vida se a morte está tão perto?
Deve ser isso. Entrei numa sala de espera e nada mais me resta que aguardar a vida, não vale a pena fingi-la enquanto não chega.

Espero que voltes antes do Inverno.

3 comentários:

Ninfa disse...

gostei... pode haver ésses a mais..mas as tuas palavras essas nunca estarão a mais.

Continua

amelie disse...

a espera nunca foi o meu forte, sabes...mas se pensar bem, eu estou mesmo aí ao teu lado, a ler uma revista na sala de espera pronta para o transplante de medula...afinal o que é a vida senão uma eterna espera? espera de ser feliz.

xuxana disse...

esperar?

(in)felizmente às vezes é preciso agir...

**