segunda-feira, setembro 17, 2007

Epifania

Tenho medo que me tenhas amargado. A nossa voraz e obsessiva paixão envelheceu-me quando os habituais pontos e vírgulas passaram a um assustador e fatal ponto final. Comecei a exigir mais de mim e dos outros, tentando recuperar em tudo o que uma só pessoa e sentimento me dava, tu.
Demorei a entender que por mais sociável, sucedida e amada que fosse, não tendo o teu silencioso sorriso e amor do outro lado, nada valeria assim tanto a pena.
Odiei-me por conseguir gostar mais de ti que de toda a gente que a cada minuto demonstra gostar mais de mim que tu.
Odiei-me por chorar no dia do lançamento do meu livro, por nem saberes que eu tinha, finalmente, alcançado o sonho da minha vida, o mais rapidamente possível para ainda arder em ti a frustração de não me ter.
Afastei finalmente a poeira que fomos dos meus olhos, sinto-me lúcida. Quero encontrar-me sem precisar de mostrar que posso ser maior que tu, sem ti. Muito do que me moveu a lutar foi a vontade de me sentires independente, madura, segura. Mas afinal o desespero de engolir a vida só me tornou mais nervosa e ansiosa, eu que outrora me destacava pela calma e sensatez.
Sinto-me maior que eu. Já posso ser maior que tu.

4 comentários:

amelie disse...

"tu és melhor que tu, não digas nada, sê" F.P =)

Ninfa disse...

gostei dessa epifania. e tu és grande faty. cm tenho saudades de tar mais contigo...

xuxana disse...

Cada pessoa é única, insubstituível... e por isso é que deixam saudades... e por isso é que custa "afastar a poeira que foram dos teus olhos..."


**

Enes disse...

"Odiei-me por conseguir gostar mais de ti que de toda a gente que a cada minuto demonstra gostar mais de mim que tu"

Fizeste-me pensar...
Um dos melhores de sempre Fátima, parabéns.