terça-feira, janeiro 11, 2011

Isto não é um poema

Isto não é um poema. É uma coisa qualquer. É um tempo sem regras obscuras e sinais do passado. É uma mancha solitária na prateleira das letras, um pássaro devorando a liberdade num voo de asas abertas. Não se cansa porque a liberdade não dorme, mas vacila no alto do céu. Isto não é um poema, são mais que palavras, são letras que se juntam para procurar o sentido da própria vida. Para entender porque ansiamos tanto ganhar e porque é que há tanto em jogo quando estamos a perder. Tudo isto só posso dizer porque porque não falo na língua da poesia, mas na língua universal dos homens. Palavras com travo a sal de um povo de marinheiro encurralados entre as ondas. Procuram a saída mas só há mar e mar e amor neste rio de emoção dos homens, que tentamos decifrar com palavras, meras junções ocas e opacas de letras, sons agudos, graves, esdrúxulos. Vogais e consoantes. Não escrevo um poema, junto letras e letras na tentativa desesperada de me reencontrar com o passado e de buscar o futuro. Alimento-me de ilsusões desiludidas, afogo-me em palavras que flutuam nas bocas dos outros e a que me agarro. Mas o barco das acções já zarpou. Restaram bóias de coisas ditas que nunca se sentiram. Uma enxurrada de fraudes e de letras juntas às cegas por aí. Não escrevo um poema mas um apelo às palavras ditas sem razão. Na língua universal dos homens, a língua do amor e do coração. Amor tenho eu de sobra. E que dizer das palavras?Tenho-as aos molhos, prontos para empacotar.