quarta-feira, novembro 01, 2006

O olhar. Firme e recto. De quem viver é suor e olheiras, pernas pesadas e cabeça a latejar. O semblante pesado e cansado de quem não chora. As palavras cortantes sem sentimentos, talvez deixados numa esquina escura que o amor teve medo de passar, onde o interesse e a ganância jogam à apanhada.

Porque escolheste ser figurante na minha peça? Porque não és personagem principal comigo?

Deixaste de acreditar e agora és só mais um para mim, em vez de um comigo.

3 comentários:

Master Inutile disse...

hum... nunca sei se os teus textos reflectem mm o que estás a sentir...

mas de qlq maneira, continuam belos belos belos ^_^

***

Pakena Ticá disse...

Bonito. Triste... mas bonito.

**

Alexx disse...

Descrição que me fez lembrar aqueles homens do antigamente, marcados pela dura vida que levavam e que tranformava os seus corações em pedra, sem carinhos para dar em casa, sem sorrisos para oferecer na rua (fez-me lembrar o meu avô).

Depois percebi que falavas de alguém que não esses homens e deixou-me trsite pensar que aidna há gente assim... gente que nem percebe que um olhar, um toque, um sorriso fazem toda a diferença e pintam um arco-íris de sonhos na vida das outras pessoas...

Se a escolha foi ser figurante então é porque nunca mereceu ser personagem principal, porque essa, essa nunca trocaria tal papel na vida de alguémcomo tu ;)

Ai, madrinha escreves tão bem!!!***