Nostalgia

Dizem que o amor não dura para sempre. Mas acho que nunca vou desaprender de amar-te, tal como continuo a saber o aeiou e a fazer contas de somar e de subtrair. Parece, no entanto, que já não sou tão boa na matemática do amor. Por muitas reviravoltas que dê, e me perca em equações, é impossível medir a distância, largura, comprimento, altura e raíz quadrada da minha afeição por ti. Contei os segundos e as horas, os dias, os meses, os anos que o calendário nos juntou. Tempo algum é suficiente para estar contigo, para te abraçar, para te dizer todas as coisas que tenho para te contar. Lembras-te dos risos? Dos passeios na praia, dos pés descalços e encharcados de mar, dos olhos reluzentes?Não eram já olhos, eram rebuçados. Doces de te olhar assim. o que é que mudou? As contas falam-me em infinito, mas os teus olhos já não me sorriem. Depois abraço-te e choro baixinho, sabendo que me estás a ouvir. Apenas não dizes nada. Conheço-te e às vezes, nas noites mais escuras deste caminho a duas mãos, parece que não sei quem és. Apesar de saber o mapa do teu corpo de cor. De adivinhar, tantas vezes, o que vais dizer a seguir. De conhecer o teu cheiro e mergulhar de cabeça nos teus braços. A forma como mordes a colher do café, o copo da cerveja. A forma como o teu riso nasce e o toque das tuas mãos. Sei de cor as linhas do teu rosto. O que mais odeias e o que mais amas. Sei exactamente que presente te oferecer e, na maioria das vezes, irá assentar na perfeição. As tuas facetas também as sei de cor. A romântica, a alegre, a triste, a zangada. Conheço-te. O teu sabor. Ainda assim, sento-me no banco do jardim e choro compulsivamente. Porque neste momento não sei quem és. As tuas palavras parecem vir de outra boca, os teus olhos frios nos meus olhos-rebuçado. Talvez continue à espera que chegues ao banco do jardim e me digas "vem, anda comigo". Aí vamos voltar a ser o Darcy e a Lizzie, o Wall-e e a Eva. Vamos passear nos jardins e voltar a falar de coisas que só nós conhecemos, a rir de fantasias que só nós soubemos imaginar. Veremos as formas das nuvens, eu irei correr para me apanhares. Nada será mais importante que eu. Irei olhar nos teus olhos e verei uma lareira. Acesa, inflamada, com o que chamam paixão. E a tua mão na minha. E ninguém vai saber que te perdi. Porque nesse dia, meu amor, talvez me possas encontrar.

Comentários

Tracey disse…
bolas marta, este texto tá lindo...