quarta-feira, setembro 22, 2010

Anoitece,

e lembro-me sempre dela, de adormecermos à lareira a remexer os paus do lume, de lhe falar das brigas com o colegas da escola primeiro e de como queria ser médica depois, para curar o avô, de como ela sorria placidamente e dizia que sim a todos os meus sonhos, todos eram possíveis aos olhos dela, todos, todos, até mesmo entrar em medicina sendo uma nódoa a matemática, até mesmo curar o avô...
Hoje anoitece ao ecrã do computador, não há lume para remexer, ela já não me pode prometer todos os sonhos que eu quiser, com cheiro a arroz doce com canela, com doce de abóbora e torradas feitas ao lume, com os olhos e o rosto dela a cabecear para o lume, "vó está a adormecer, está cansada, vamos dormir", "não estou nada filhinha, diz lá vá".
Que me dirias agora se pudéssemos adormecer outra vez ao lume, vó? Foste embora, e levaste os sonhos também. Já não há olhos como os teus para me ajudarem a sonhar.

Sem comentários: