Lisboa

Lisboa acorda na penumbra dos despojos de mais uma noite. As garrafas espalhadas pelo chão, os vidros partidos em jeito de memória de conversas que já se tiveram. O aroma de mil aromas desta Lisboa, indecifráveis e que deixam o seu rasto. É assim o despertar da capital, como se Lisboa dormisse. Tem sono leve, esta cidade do mundo, enebriada de gente que passa na sua calçada. Toc Toc Toc. O barulho dos saltos das mulheres nos passeios, o arrastar dos pés do homem da mercearia, que carrega as caixas da fruta como um fardo que lhe pesa. Lisboa pesa na alma de quem aqui vive, é rumor de conversas, de memórias, de estátuas que se falassem teriam mais que histórias para contar. Uns vêm-na como a cidade boémia, de bares em ruelas escondidas, de conversas sufocadas pelo fumo do tabaco. Outro encontram-na todas as manhãs, no caminho para a escola, para o trabalho. Alguns visitam-na pela primeira vez. Amam-na ou detestam-na. Esta Lisboa de pombos que voam e povoam as ruas divididas entre o passado e o presente. Lisboa de encantos e olhares, de Fernando Pessoa, menina e moça. A cidade que me acolhe ainda o dia é uma criança e de mim se despede, já com o cansaço nos olhos, quando a tarde já vai longa. Onde encontro sempre um lugar diferente, uma montra que ainda não foi descoberta. Que me cansa e me atormenta. Lisboa de mil amores, de mil passados. Cidade onde uns se perdem e outros se encontram, e guarda os seus segredos bem escondidos. Lisboa de insónias, que nunca dorme, talvez para jamais ser esquecida. Que embala nos seus braços os mendigos, que dormem nas suas vielas e recantos. Passamos todos uns pelos outros, nas suas ruas, e no bulício matinal. Ninguém se fala. Nada se diz. E Lisboa respira, cada vez mais acelerada, no tempo moderno em que pomos sempre os olhos no chão. Em que há pressa de ter pressa para chegar a um lugar. Por agora, chegámos a Lisboa. Quem sabe qual será a nossa próxima paragem...

Comentários

Tracey disse…
Gosto :) Tu de facto trabalhas no Bairro Alto...Não há mais lisboa que isso! *