quinta-feira, junho 28, 2007

Crusoé

Dormir, esquecer-me de ti pelo menos até amanhã. Fugir sem rumo da ilha em que deixaste. Serás tu o náufrago de longas barbas quantos anos de solidão e pele de pescador estragada pelo Sol, tu frágil e nu e o tempo tão cruel, sem cabana ou casa na árvore que não se desmorone nas noites de tempestade, todas as noites. Serás tu o náufrago que o mundo se esqueceu de salvar e gravar no mural dos Antónios e Josés explodidos em combate, serás tu, mesmo que eu me sinta mais perdida que nunca.

2 comentários:

o alquimista disse...

Saberás que os sonhos, moram nas gotas de orvalho que um arco-íris solta, em coração desencontrado. Saberás que os passos errantes de um louco na procura do norte, não deixam marcas no pó, tão pouco são rumo para a sorte.

Bom fim de semana

Doce beijo

AR disse...

preciso de um herói, de uma personagem...de um ego (infra, super, alter, hiper)...

Desculpa os meus comments toscos sem inspiração...mas o verão está a dissecar os neurónios! =P só me apetece desabafar...e ganir!