domingo, junho 10, 2007

Insomnia

Era como dormir na rua. A sensação que o escuro se prolongava até ao cão que ladrava às três de manhã e os lençóis tão frágeis numa noite de Junho. Gostava mais do Inverno, podia dormir com mantas e cobertores grossos sem que a mãe refilasse ou proibisse aquela estranha mania. Não tinha frio, nem suava muito, era uma maneira de se sentir protegida.
Assim, sem sono, e sem se poder esconder nas mantas, não ia adormecer.
Quando era pequena fingia que debaixo dos lençóis era o mar e tinha de aguentar sem respirar para um dia nadar como os primos debaixo de água. E arrastava o corpo para o breu sentindo o macio dos lençóis na barriga.
Inventava histórias para cada noite que ficavam só na sua cabeça e adormecia cansada antes de poder dar um fim ao seu filme.
Hoje as histórias na sua cabeça são tantas que não a deixam dormir, são reais e voltam teimosas ao acordar.

3 comentários:

xuxana disse...

Cresces-te.... Mudas-te...

Era mais fácil quando o único medo era do escuro, n era?!


**

AR disse...

"eu kero voltar..."

Anónimo disse...

Yоur oωn write-up has confirmeԁ benefісiаl to me peгsоnally.

It’s quіte educational аnd you are сlеarlу quite eduсаteԁ οf
this tуpе. You have got expοsed my own еye in ordeг to vаrying
thoughts аbοut this sрeсіfic ѕubjeсt
mаtter together wіth intrіguing anԁ strоng content.
Also visit my blog post ; Klonopin