quarta-feira, junho 06, 2007

Caminha como se não conhecesse a gravidade, em passos largos e quase dançantes. Do fulgurante metro para correrias nas passadeiras sorri distraída entre a música e os seus devaneios, e nem o carro que quase atropelou a sua vibrante vida a perturbou.

4 comentários:

o alquimista disse...

São tantas, as palavras, ditas ao deus dará, envoltas em doçura, amargas, alguém sempre as terá. São chicote, são terno, afago, são o sol da ilusão, são perversas ou vil loucura, são, o querer a contradição, não deixam marcas na areia...

Espero-te para um sortilégio de ternura


Doce beijo

Alexx disse...

Também tenho dias assim... em que o mundo é meu e nada me atinge! São tão bons esses dias de Sol na alma =)

Ninfa disse...

distraída ando sempre eu com o mp3 nos ouvidos ou a ler um livro e Às vezes digo que sim ao que me dizem e esqueço, esqueço tudo, só não esqueço estas sensações fulgurantes da vidaaa. keep touching hearts with words:P

AR disse...

é muita adrenalina! :)**