Prefiro que não me saibam

"Repudiei sempre que me compreendessem. Ser compreendido é prostituir-se. Prefiro ser tomado a sério com o que não sou, ignorado humanamente, com decência e naturalidade.
Nada poderia indignar-me tanto como se no escritório me estranhassem. Quero gozar comigo a ironia de não me estranharem. Quero o cilício de me julgarem igual a eles. Quero a crucificação de não me distinguirem. Há martírios mais subtis que aqueles que se registam dos santos e dos eremitas. Há suplícios mais subtis da inteligência como os há do corpo e do desejo. E desses, como dos outros suplícios, há uma volúpia."

Fernando Pessoa

Comentários

xuxana disse…
Este senhor é o máximo! :)

**
AR disse…
de certeza q foi o primeiro português a pensar assim!

=)