quinta-feira, junho 08, 2006

Miminhos

Peguei na agulha e comecei a rebentar os balões,todos eles num curto trajecto perdiam a sua graça e ficavam a um canto do passeio, da estrada, sozinhos e desprovidos de toda a cor. Passei a minha vida a ver balões que pareciam tão bonitos rebentar ou simplesmente fugir-me da mão. Um dia achei que mais valia crescer e deixar de comprar balões. Cheguei a pensar que o senhor que vendia balões e me estendia sempre um sorriso rasgado tinha desistido. Tinha ido procurar outras portas nas quais houvesse meninas que quisessem comprar balões de todas as cores e de todas as formas (que dali a pouco tempo iriam ser apenas restosvazios sem oxigénio ou hélio). São assim muitas das pessoas que conheci.
O senhor dos balões achou que eu tinha desistido do amor. E ficou escondido a um canto. À espera. Porque as pessoas que são como os balões já não me interessavam. Até que um dia o senhor voltou com o seu carrinho que chiava pela manhã e com o sorriso rasgado. “A menina deseja alguma coisa?” e eu respondi “Já não tenho idade para balões nem para brincar”. O senhor de barbas e de olhar meigo estendeu-me um balão, com cores que não sabia existir. Quando me voltei já não estavalá ninguém. Apenas a rua deserta e crianças a brincar com os seus balões. Umas riam, outras choravam (quando o balão ficava preso no telhado). Só que o meu balão não rebentava com agulhas. O meu balão não era igual aos outros. Desenhei-lhe com uma caneta uma boca, uns olhos, um sorriso como o que vira naquele que me vendera o balão mágico. Um sorriso com cheiro intenso a bolo de alegria. Um balão que ao invés de voar me levava a voar com ele. Voltávamos à noitinha pela janela pequenina, sem fazer barulho. Só eu e o meu balão. Se me perguntarem por aí se acredito no amor vou responder que sim. Nunca mais espetei o dedo a rebentar balões. Nem o balão ficou preso nalgum telhado.

5 comentários:

Hizys disse...

Deixa-te ser pequenina e querer que o balão te levante para voares com ele...=) Tão bonito, minha ninfa ao tejo plantada...=P

(Só o imagino com cara de balão! =D)

Odnilro disse...

Crescemos e nisso muitas coisas vamos aprendendo, mas também outras esquecendo. E quando reencontramos o suposto esquecido encantamo-nos pela magia julgada perdida.
Há valores que desvalorizamos mas redescobertas as suas valias mais valiosos ficam.

AR disse...

Eu larguei o meu balão, deixei o voar, fugir pelo céu...e fui com ele!
:)
Bjx********

rouxinol de Bernardim disse...

Sobe sobe balão sobe
Até à lua chegar...
Cada qual vai onde pode
Tendo asas p'ra voar...

Alexx disse...

É tão bom quando os nossos balões não rebentam nem fogem de nós... É tão bom quando acreditamos e sentimos que eles nos podem fazer voar para um mundo em que não há agulhas, em que nada os fará desaparecer... É tão bom...

Acho que me fizeste voltar a gostar de balões :)