sexta-feira, março 03, 2006

Cogito ergo sum

Eu sou a busca interminável de mim mesma. O retalho da manta que ainda não foi acabada de tricotar. Uma pegada que o mar ainda não apagou. Um momento num rol de momentos. Um curto circuito num apagão eterno. Eu sou a chama olímpica a ser levada para um não sei-onde. Eu sou um presente-passado sem saber o que fazer hoje ou amanhã. Eu sou esta mão que busca sem descanso a tua, porque hoje só tu me podes valer. Porque o teu sorriso faz-me esquecer outros sorrisos que traziam escondidos lágrimas. Eu sou um palhaço triste num circo pobre. Um pierrot com a lágrima pintada no canto do olho. Eu sou esta cobaia que se experimenta. Mas não percebo nada de poções, de frascos em laboratórios estranhos. Preciso de ti, sejas tu quem fores. E descubro que não vale a pena fazer planos sobre a forma que os frascos ou os líquidos vão ter. O futuro não existe.É uma palavra fictícia como a vida. E há coisas tão estranhas neste circo pobre que parecem magia. A forma como as coincidências, ou que entendemos por coincidências, acontecem.Como se a vida fosse uma enorme lição e nós estivéssemos constantemente a escrever a mesma frase no quadro. Não sei se já aprendi a minha lição. sinto-me reviver muitas vezes a mesma cena, o que talvez signifique que fiz muitas vezes o mesmo erro e não posso evoluir. E sinto-me vítima de mim mesma. Nesse circo pobre em que ainda não sei amestrar feras. E sinto que ainda não aprendi a lição e a lutar com o lado lunar. Porque é ele que nos cega e nos oprime. E nos faz continuar neste circo, a representar todas as noites para uma plateia invisível. Representaremos também enquanto dormimos?Que nos quererá dizer o inconsciente?Que nos quererá dizer a energia do mundo que não conseguimos ouvir?Que erro grotesco estaremos a cometer?Porque pensamos em ser felizes e não o somos?Porque arrastamos um saco pesado de culpas e de amores mal vividos. O amor não é um "amo-te". Amor é generosidade. Interiorizei isto e descobri que faz todo o sentido. É uma totalidade em que embatemos mas não conseguimos penetrar. Porque o passado nos amarra como correntes. Porque não sabemos amar senão na escravidão do outro. Porque amar faz todo o sentido. Mas amar sem correntes. Porque só o amor nos liberta, um amor sem pressas e sem razões. Um amor sem de falta esperas em que possamos ver no outro uma energia própria que não queremos gastar mas alimentar.

9 comentários:

Hizys disse...

O presente é sempre um passado e o futuro é sempre o momento seguinte que se torna passado e nos confunde e abrasa. Giramos num turbilhão de emoções sem saber quem somos, mas descobrindo sempre mais um sorriso, mais um verso que ainda não tinhamos reparado numa música. O importante é não nos prendermos, é girar no carrossel da vida, por mais louco que seja. Vamos andar no unicórnio mais bonito do merry-go-round, ninfa? =)

Anónimo disse...

:|

Ninfa disse...

let's go ísis!

Anónimo disse...

para viver bem o presente e futuro nada melhor que largar primeiro o passado...

Ninfa disse...

sim. suponho que escrever é uma forma de largar o passado. de pôr no papel as emoções, as raivas, as frustrações e torná-las mais belas, por assim dizer. No fundo no fundo este é um texto de corte com o passado e uma tentativa de entender o amor e o futuro. Porque o amor é simplesmente uma estátua muito bela...mas que temos ter muito cuidado para não quebrar e moldá-la também é difícil.

Pássara disse...

"sinto-me reviver muitas vezes a mesma cena, o que talvez signifique que fiz muitas vezes o mesmo erro e não posso evoluir."
É claro que consegues evoluir! pra mim o passado faz-nos aprender muitas coisas, principalmente no amor...
Não quebrar a "estátua" isso sim é dificil, teres um amor e mantê-lo... é mais dificil mantê-lo do que encontrá-lo, pois pra mantê-lo deixas de ser um ser pra serem dois num só, em que as vontades de ambos têm de levar a um só caminho!
Aproveita este "espectáculo de circo" pra seres feliz e não leves muito tempo nos ensaios porque não há muito tempo!

Anónimo disse...

mto bem dizido ali pela senhorita passara ;)

Odnilro disse...

Isto é algum exame de consciência?

Ninfa disse...

E já dizia Milan Kundera: "o ensaio da vida é ele a própria vida". Não há balões de ensaio. Porque a vida não os permite. Ensaiar viver é já experimentar.