quarta-feira, janeiro 22, 2014

Palco


Nesta vida sem ensaios, vou estrear a cada dia a minha peça sem esperar aplausos. Assim é o teatro da vida. Estou no palco mas vejo-me na plateia. Sangro e já nem sei se sou eu. Lágrimas vão escorregando gentilmente. Mas quem chora agora? EU na plateia ou EU no palco? E se eu choro quem irá rir por último? Anseio que as luzes se apaguem e possa parar de fingir. Que sou uma super heroína. Que sou forte, gigante, maior. Sou apenas eu, sorriso pronto, olhos grandes, pequena, insignificante. E este palco parece ser demasiado grande para mim.
 

Sem comentários: