sexta-feira, outubro 15, 2010

poesia

como uma chama que de pequenina se faz gigante te sinto a chegar, aqueces-me, incendeias-me, sinto-te a correr pelas minhas veias, o fogo de ti que me enlouquece, sinto-te a cada bocadinho de mim, primeiro as mãos, sempre onde me nasces, os braços num sopro, inflamas-me a garganta, de súbito tenho mil palavras a querer sair pela boca, loucas atropelam-se e eu sinto-me poderosa. envolves-me no teu manto de loucura mas paz, de emoções mas calma, levas-me o medo e devolves-me o coração, quando te grito o que sinto, e me deito nas palavras, finalmente, mais calma, regresso a mim. voltaste. poesia.

1 comentário:

Joana Isabel Santos disse...

é tão bom voltar ;)