quarta-feira, outubro 24, 2007

Abismo

Já não estremeço quando o teu cabelo me tapa o Sol. Quando apareces sem aviso no meio de toda a gente, já não falo pró ar para que se riam comigo, não contigo. Olho-te de frases curtas, olhas-me vazio. Olhamo-nos de pontos finais. Estou do outro lado da montanha, fito-te desafiante pra que saltes, mas sabes, o abismo é grande. Abismo de saudade ou voz engolida. Nessa falta d'ar de não saber que dizer. Nessa garganta funda de silêncios. Longa de mistérios. De procurar até ao fundo algo que nos ligue. Sem encontrar. Porque nunca me conheceste. Apaixonaste-te sem mais nada, eu não. Eu quis-te descobrir, tu querias-me engolir. Quando percebeste que eu não podia ficar sempre no teu colo, tiveste medo. O teu quarto sempre foi grande demais, dizias tu, "Preciso de cor e não gosto de posters, podes ficar aqui?" Não pude.
Hoje estava cansada, desisti de os fazer rir quando chegaste. Deixei de fingir que estava entretida pra não te ligar. E tu fizeste-os rir, mas a tua voz tremeu. Eu senti.

8 comentários:

Enes disse...

oh... =,)
como é que escreves estas coisas?

xuxana disse...

Por vezes consegues descrever o que sinto melhor que eu própria! ;)


beijinho*

Catarina disse...

Fati... Fati... que é feito de ti? :)

Inspirada como sempre, num é?

***

EL disse...

Oh, às vezes um fim, pode não ser um final, mas uma intenção, algo que se dá sem se saber porquê, nem que seja um pedaço de papel =). E isso pode confundir mais do que muitos olhares.

delusions disse...

Abismos grandes de mais...


Mais um post daqueles...Que se relêm...



Bjinho*
Bom fim-de-semana

mary disse...

Há realmente pessoas que, por mais que se esforcem, nunca conseguem chegar ao nosso âmago... as razões podem ser várias... a mais plausível... acho que é apenas uma... não nos amarem o suficiente... e quando descobrimos isso é altura de partir...

AR disse...

Pequena Ízis...até quando esta travessia pelo condado da insatisfação?

Os homens são simplesmente básicos, se os quisermos amar, tem de ser como eles são e não como a gente quer que eles sejam! (é provável eu já ter dito isto aqui umas mil x's, é fácil, de facto, falar...)

paz em ti***

rquelita disse...

Em vez de fugirmos de abismos por vezes temos de procurar estabelecer pontes..mas pontes sólidas e não akelas q caem ao primeiro passo q damos