quinta-feira, junho 19, 2008

vazio

Em mim há só um vazio. Um longo, imenso, terrível vazio... e lágrimas. Algumas choradas e outras por chorar. Há em mim uma desilusão tão quente que arde em mim, vulcão a irromper na lava das minhas pequenas lágrimas. Há em mim uma criança abafada que soluça na noite. Que se cala, mas quem cala consente. E quem ama? Um amor que muda tudo o que existe, que nos enche a alma e que nos magoa. A mágoa é uma palavra muito triste. Quase tão triste como eu. Quase tão assustada como eu, no canto da sala para que ninguém me encontre e veja que estou de novo a chorar. Até que as lágrimas correm e correm e o rio seca. Depois fica só um silêncio doloroso de querer chorar e não poder e a raiva contida cá dentro e as mil e uma palavras que se queria dizer numa noite mas não se consegue. As explicações que se queria ouvir e as que se queria dar. E querer que a mágoa e a dor passassem leve no vento que vai e vem e volta e vira e voa. Mas a mágoa mantêm-se martelando, moendo a mente.Só um vazio e um era uma vez sem felizes para sempre. Afinal, hoje eu sinto-me por demais infeliz para essas histórias. "Oh mas onde está a princesa". A princesa esta noite morreu.

3 comentários:

Alê disse...

quem escreve assim, de vazio não tema nada! ;P

Tracey disse...

"Só um vazio e um era uma vez sem felizes para sempre." eu é que fiquei vazia de palavras com isto...

delusions disse...

e assim nascem vazios que tentamos tapar com palavras e restos de memórias... talvez um dia...


adorei, está soberbo.


Sofia*