Chá

Quando o tempo parou, faltavam 11 minutos para o meio-dia. O almoço tardava, entre telefones por sossegar e coisas por contar. Desapareceram dois pequenos olhos do corpo de caixa branca, e a cadeira ficou a girar sozinha. Quadro de Dalí, a sala de trabalho: computadores com olhos. E dali fugiram os pés pequeninos para outras cores, outras caras: cabeças com vestidos pretos iguais e corpo de montra. Chá, por favor. Obrigado. Ah!; as mãos na chávena. Quentes numa sala fria. Anestesia de tudo num mundo sem tempo para nada. E os olhos mergulhados no chá, cheios de lágrimas por chorar. E pelo bar ficou, esquecida no chá.
Pousou a chávena, o toque na mesa cortou o silêncio e acordou os ponteiros. Voltaram os dedos à correria. E os olhos ao computador, corpo de electrões operários incansáveis, coração esquecido. Sempre assim, dia após dia.

"She found a lonely sound
She keeps on waiting for time out there
..."

Comentários

Enes disse…
ohh... queres um abraço? vai ser melhor depois...**
Ricardo disse…
Gosto do que escreves.
Obrigado pelo teu comment ha uns meses atras... foi o meu unico ate hoje :)
Continua a escrever, eu continuo a ler.
xuxana disse…
Tinha saudades destas tuas descrições :\

Pelo menos, o livro continua comigo :) **
AR disse…
chá...é bom pro relax!
=)
Rita disse…
Que saudades vossas que eu tenho. Ontem estive a (re)ler o Letras Soltas, o Livro. Que falta que me fazem (:
Tontinhu disse…
Escreves mt bem...gmdt tas aqui <3