domingo, dezembro 14, 2014

Ainda não, mas um dia

"(...) ainda não disse um milhão de vezes ao meu pai que o adoro, mas estou lá perto e bem vistas as coisas um milhão é pouco para algo infinito assim, ainda não abracei a minha mãe e lhe dei um beijo na desta até que os lábios secassem e os braços cansassem, pode ser agora mesmo, quando acabar este texto, ainda não escrevi a obra-prima e só tenho mais coisa menos coisa mais setecentos mil milhões de frases para o tentar, mais algumas, provavelmente, tenho a certeza que vou morrer de caneta na mão, ou de computador no colo, a última frase será qualquer coisa como "Desculpem qualquer coisinha, mas leiam, e sobretudo amem."
Pedro Chagas Freitas

Sem comentários: