quarta-feira, maio 24, 2006

Missing Piece


Posted by Picasa

"Do you feel like a puzzle and you can't find the missing piece?"


Talk, Coldplay
Perdidos. Pecinhas de mim, bocadinhos arco-íris, pedaços-sorriso, minutos-gargalhada. Sugados pelo remoinho dos ponteiros do relógio do coelhinho apressado da Alice no País das Maravilhas. O tempo tinha pressa e o coelhinho levou-o. A vida tinha pressa e o vento do tempo levou-a. Se eu pudesse abrir um buraquinho no ar e mergulhar noutra dimensão, mundo paralelo do outro lado do arco-íris, pintado de mar e calor, e salpicado de risos e carrosséis... mas não posso, porque o passado não me deixa entrar. Ele não gosta de ser visitado, porque está a dormir. Ele guarda a casa enquanto o presente vai passear. E ele não gosta de ser visto porque já não é quem foi, porque ele tem tantas feridas como cicatrizes e gargalhadas tatuadas na pele, mas já não sabem ao mesmo e forçar o deliciar do que já passou é demasiado superficial. O passado é uma pastilha mastigada, sem açúcar.
Levaram as pecinhas do meu puzzle, como quando passava a tarde a construir casinhas de lego e de repente, num laivo de loucura, partias-a para construir casas diferentes. Mas havia sempre uma peça que se escapulia para debaixo do armário, e a minha mãozinha era pequenina e frágil demais para conseguir tirar o pequeno lego do escuro e poeirento, entre os picos da madeira trabalhada, e ficava perdida para sempre. Eu tinha pena mas esquecia-me rapidamente da peça porque tinha muitas. E logo me entretinha novamente a fazer quintas e fortes da lego, onde inventava mil estórias como nas telenovelas ou nos contos da disney. Falava sempre em sotaque brasileiro, porque eu achava que as estórias eram especiais e por isso não podiam falar como eu mas sim como os grandes, como os da televisão. E assim passava a tarde como o Gulliver amigo dos meus liliputeanos. Eu sabia que eles me conheceriam de alguma maneira, porque ajudava-os a falar e construia-lhes casas bonitas e cheias de cores. À noite espreitava-os ao escuro para ver se se mexiam como uma vez vi num desenho animado... Mas eu sentia que eles eram mais espertos que eu, e não se mostravam quando eu estivesse a olhar. Eu sabia que eles não queriam que eu soubesse que também podiam trocar de roupa sozinhos, porque cuidar deles fazia-me feliz.
Hoje os meus brinquedos estão na estante do quarto e no sótão, quietos e calados porque sabem que eu ainda me lembro deles. E os puzzle dos smurfs está pendurado e eles sorriem sempre porque orgulham-se em terem sido o primeiro puzzle que eu completei. Mas eles não sabem que além dos legos pequeninos também há peças de mim perdidas por aí. Que alguém escondeu em si e agora tenho medo de pedir. Porque já estão poeirentas e também eles se esqueceram delas.

3 comentários:

AR disse...

feel that missing piece!
;)
*!!

Alexx disse...

Lindo!!

De facto, o tempo deixa-nos a sensação de que tanta coisa ficou incompleta... mas que já é tarde demais para encontrar a missing piece ...

De qualquer maneira, já não tenho as minhas Barbies, nem os meus legos, nem as minhas Polly Pockets... Mas guardei da minha infância os livros da Rua Sésamo, os peluches preferidos e (chama-me criança se quiseres mas é tão bom ser criança...) uma pequena boneca de trapos que ainda dorme na minha cama, ao lado da minha almofada - ela há-de ser sempre a minha Bonequinha :)

Joana* disse...

Todos sentimos que nos falta uma parte e que alguém se esqueceu dela...:(

Mas eu dou-te uma ajudinha a encontrá-las se precisares Madrinha ;)